Skip to content

Alerta e Informações

A Globalis Viagens e Eventos Corporativos tem estado permanentemente a acompanhar a evolução do surto do novo Coronavírus Covid-19 e acionou de imediato o plano interno de contingência, assente nas diretrizes da Direção Geral de Saúde e do Governo, que permitiu evitar o contágio comunitário ao mesmo tempo que garantia os serviços a 100%. 

Entre outros momentos já vividos, este é mais um exemplo de como as agências de viagens são diferenciadoras e importantes em momentos de crise. Só através de nós é que o cliente encontra o apoio integrado no suporte de todos os serviços envolvidos, nesta contingência. Estamos aqui para si.

Devo viajar?

Acompanhamos a situação ao momento e por isso temos em consideração toda a evolução do surto nos diversos países. De momento, e uma vez que a Globalis tem como prioridade a segurança dos seus clientes, deverão ser avaliadas as necessidades de efetuar qualquer tipo de viagens, até porque o fecho de fronteiras e restrições de quarentena implementadas diariamente pelos vários países, poderão implicar uma permanência inesperada no destino ou dificultar o regresso a casa.

No entanto, daremos toda a assistência e apoio a passageiros que necessitem de o fazer, tomando todas as medidas de segurança possíveis.

À medida que a pandemia foi evoluindo, todos os viajantes que se encontravam em viagem no estrangeiro foram identificados através de tracking safety e security reports, para providenciar o respetivo repatriamento e prestar todo o apoio necessário no seu regresso em segurança a Portugal, no menor espaço de tempo possível.

Apoio Globalis

Fruto do Estado de Emergência Nacional e também do nosso Plano de Contingência Interno, cujo objetivo é proteger os nossos colaboradores e clientes, todos os contactos com a Globalis devem ser feitos para:

Recomendações para viajantes

Tendo em conta a forma de propagação deste vírus, existem algumas diretrizes que poderá ter em conta se não puder adiar a sua viagem, nomeadamente: evitar permanecer um longo período em locais com grande densidade ou passagem de pessoas. Outra medida é optar por fazer voos diretos para não ter de fazer escala em mais que um aeroporto. Consulte-nos, pois as restrições fronteiriças e as exigências de quarentena à chegada são bastantes e crescem de dia para dia.

Já no destino, o ideal evitar espaços fechados que possam conter mais pessoas, como museus, cafés, centros comerciais, entre outros. Não é também recomendado o uso de transportes públicos, e aconselhamos a que leve consigo os contatos úteis que podem vir a ser necessários como o da Embaixada e dos serviços de saúde do destino para o qual vai viajar.

Para além destas recomendações é muito importante viajar com um seguro de viagens. Consulte-nos para saber mais informações sobre os seguros que dispomos para si.

Deixamos-lhe ainda as recomendações estabelecidas pela Direção Geral de Saúde, que deverá ter em conta:

  • Lavar frequentemente as mãos, com água e sabão, esfregando-as bem durante pelo menos 20 segundos;
  • Reforçar a lavagem das mãos antes e após a preparação de alimentos, antes das refeições, após o uso da casa de banho e sempre que as mãos estejam sujas;
  • Usar, em alternativa, para higiene das mãos, uma solução à base de álcool;
  • Usar lenços de papel (de utilização única) para se assoar;
  • Deitar os lenços usados num caixote do lixo e lavar as mãos de seguida;
  • Tossir ou espirrar para o braço com o cotovelo fletido, e não para as mãos;
  • Evitar tocar nos olhos, no nariz e na boca com as mãos sujas ou contaminadas com secreções respiratórias.
  • Utilização de máscara de proteção

As pessoas regressadas de uma área afetada devem estar atentas ao surgimento de febre, tosse e eventual dificuldade respiratória. Se surgirem estes sintomas, não se devem deslocar aos serviços de saúde, mas ligar para o SNS24 – 808 24 24 24, e seguir as orientações que lhes forem dadas.

Links importantes a ser consultados antes de viajar

Esclareça aqui as suas dúvidas

Ainda não existe uma interdição absoluta das viagens de avião, mas, com a declaração do estado de emergência, só excecionalmente poderá deslocar-se. A ordem é mesmo ficar em casa. Começaram por ser desaconselhadas as deslocações para a China e países vizinhos, foram proibidas as viagens de e para Itália, os Estados Unidos da América impediram a entrada e saída de voos de e para a maioria dos países da União Europeia, incluindo o nosso. Portugal e Espanha condicionaram fortemente as fronteiras terrestres e aéreas, deixando de haver voos entre os dois países. A União Europeia fechou o seu espaço a aviões provenientes de países terceiros ou que os tivessem como destino.

As informações mais importantes, que podem variar de acordo com cada país, recomendam validar regularmente os requisitos de viagem e restrições de entrada estabelecidas pelo país que deseja visitar. Consulte o site oficial da IATA 

No caso de viagens previstas para as próximas semanas e ainda não canceladas, nomeadamente para o período da Páscoa, poderá aguardar até mais próximo da data ou proceder já ao seu cancelamento. Se tiver marcado uma viagem para mais tarde, como as férias de verão, o ideal é aguardar a evolução da situação e esperar que o combate à covid-19 seja bem-sucedido. No entanto, se contratou serviços, como hotéis e visitas guiadas, que permitem o cancelamento sem penalização, por precaução, pode cancelar e fazer nova reserva mais próximo da data da viagem.

Se estiver fora de Portugal e tiver dificuldade em regressar, contacte a sua agência de viagens ou o Gabinete de Emergência Consular, todos os dias, a qualquer hora, por telefone (351 217 929 714 ou 351 961 706 472) e via correio eletrónico (gec@mne.pt).

Quem estiver fora ou decida viajar deve manter-se informado sobre a situação no destino e estar atento às orientações das autoridades locais. A Secretaria de Estado das Comunidades aconselha, ainda, o registo na aplicação Registo Viajante.

Deverá contactar diretamente a sua agência de viagens para confirmar esta informação e saber como poderá ser compensado. Abaixo indicamos links para os website ANA – Aeroportos de Portugal, onde poderá obter informação mais detalhada

ANA – Aeroportos de Portugal

Governo português decretou a reintrodução a título excecional e temporário do controlo documental de pessoas entre Portugal e Espanha e a proibição da circulação rodoviária nas fronteiras terrestres. A circulação continua a ser permitida para:

  • entrada de cidadãos nacionais e titulares de autorização de residência nos respetivos países;
  • circulação do pessoal diplomático, das Forças Armadas e das forças e serviços de segurança;
  • circulação, a título excecional, para efeitos de reunião familiar de cônjuges ou equiparados e familiares até ao 1.º grau na linha reta;
  • acesso a unidades de saúde, nos termos de acordos bilaterais relativos à prestação de cuidados de saúde;
  • direito de saída dos cidadãos residentes noutro país;
  • circulação do transporte internacional de mercadorias, do transporte de trabalhadores transfronteiriços e da circulação de veículos de emergência e socorro e de serviço de urgência.

Com o encerramento das fronteiras deixam de existir transportes regulares entre os diversos países. Deverá contactar a sua agência de viagens ou a Embaixada ou o Consulado do seu país para saber como proceder.

De acordo com Direção-Geral da Saúde (DGS), não existem restrições à estadia no nosso país de pessoas provenientes de áreas afetadas pelo novo coronavírus. Independentemente da nacionalidade e do país de origem, quando entra em Portugal, é recomendado o isolamento profilático pelo período de 14 dias.

As coberturas de assistência em viagem que integram os respetivos seguros preveem normalmente a cobertura de cancelamento ou redução da viagem. Esta cobertura garante o reembolso das despesas pagas como alojamento e transporte e que não possam ser recuperadas quando a viagem seja cancelada por motivo de força maior. Ao mesmo tempo, incluem uma longa lista de situações que se enquadram nesta definição, como acidente, falecimento de familiares diretos, destruição da habitação, desemprego involuntário, convocação para servir de jurado ou depor num julgamento ou até imposição de quarentena à pessoa segura por autoridade competente.

Mas em nenhuma das apólices analisadas se considera motivo de força maior o cancelamento da viagem por receio de contágio. Depende da apólice e da situação que se pretende garantir, como o pagamento das despesas médicas de quem tenha sido infetado durante uma viagem, ou o reembolso das despesas com o cancelamento de uma viagem, por exemplo. Para esclarecer a sua situação, deve pedir esclarecimentos à sua agência de viagens.

Evite o contato com pessoas doentes.

Evite tocar nos olhos, nariz ou boca com as mãos não lavadas.

Lave as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se sabão e água não estiverem prontamente disponíveis, use um desinfetante para as mãos à base de álcool que contenha pelo menos 60% de álcool.

É especialmente importante limpar as mãos depois de ir ao WC; antes de comer; e depois de tossir, espirrar ou assoar o nariz.

Evite viajar se estiver doente.

Se você viajou internacionalmente nos últimos 14 dias:

Fique em casa, monitore sua saúde e pratique o distanciamento social por 14 dias após o retorno da viagem. Distanciamento social significa ficar fora de lugares lotados, evitando reuniões de grupo e mantendo distância (aproximadamente 6 pés ou 2 metros) dos outros quando possível.

Saiba mais sobre o que fazer se estiver doente depois da viagem.

É proibido o desembarque de passageiros e tripulações dos navios de cruzeiro nos portos nacionais, com exceção dos cidadãos nacionais e residentes em Portugal.

Para proteção de todos, sugere-se a consulta e o acompanhamento das orientações, comunicados e medidas de prevenção emitidas pela Direção Geral de Saúde, em consonância com a Organização Mundial de Saúde.